Ir para a Página Principal 
 Artigos Artigos 
 Serviços para Profissionais Para profissionais (cursos, oficinas, consultoria)
 Serviços para Gestantes Para Gestantes (cursos, yoga, atendimento)
 Produtos Produtos
vídeos, livros,
e outros
 Eventos Histórias de Parto
relatos de mulheres especiais
 Outros Links
Cadastre-se
 
 Produtos
Memórias de um Homem de Vidro
Reminiscências de um Obstetra Humanista
 

Título: Memórias do Homem de Vidro - Reminiscências de um Obstetra Humanista
Autor: Ricardo Herbert Jones
Ano: 2004
Encadernação: Brochura


APRESENTAÇÃO

Ricardo Jones é um médico que não é reconhecido somente por defenter uma obstetrícia baseada em evidências, como também por honrar a sabedoria desse sagrado e sensível momento para a mulher, o bebê e a família. É com essa mistura de sabedoria e conhecimento que o Dr. Ric procura iluminar o nosso caminho de escuridão tecnocrática para um novo dia, em que as mulheres serão tratadas com todo carinho e reverência nesse momento muito especial de suas vidas.

"Memórias do Homem de Vidro" nos mostra um modelo de médicos trabalhando em colaboração com parteiras, enfermeiras e doulas, apoiando as mulheres enquanto estas reivindicam para si o poder e a majestade do parto. Sua forte e gentil presença permite que os bebês entrem no mundo em paz e cercados por um ambiente de amor, cuidado e segurança.

Para criar um mundo pacífico, devemos começar pelo cuidado com mães e bebês nesse momento tão sensível e sagrado que é o de trazer uma nova vida ao nosso convívio. Dr. Ric, compartilhando conosco sua jornada transformadora de médico a "curador", encorajará você a começar sua própria caminhada. "Memórias do Homem de Vidro" o fará refletir sobre suas práticas e crenças envolvendo parto e nascimento, transcendendo o que é ultrapassado e antigo e desenvolvendo um novo modelo de cuidado, que protege e favorece partos tranquilos. Estimulando um nascimento em paz e segurança, estaremos promovendo, consequentemente, um mundo pleno de paz.

Debra Pascali-Bonaro, B.Ed. LCCE, CD(DONA), PCD (DONA), Educadora Perinatal, Formadora de Doulas e Membro do Conselho de Lideranças da Coalizão pela Melhoria dos Serviços de Maternidade (CIMS) e da Faculdade Adjunta para Educação Continuada, Escola de Enfermagem, Universidade Estadual de NY em Stony Brook, Stony Brook, NY.

EXCERTO

As horas se acumulavam, umas sobre as outras. As dores se aproximavam, quase se fundindo. O suor, o rosto contraído, a palidez. O gosto salgado na sua boca. Olhava para ela como que a pedir perdão. Uma súplica. Como posso te ajudar, se tenho as mãos atadas? Que posso fazer para minorar tua dor? Eu tenho apenas 22 anos. Como sou estudante de medicina, e apenas por isso, me permitem adentrar o espaço do centro obstétrico. É uma manhã fria de junho de 1982. Estamos no meio da Copa do Mundo. Ontem o Brasil aplicou 4 x 0 num time qualquer. Nem lembro bem qual é, mas o Zico fez um gol. A ruptura da bolsa se deu junto com o romper da aurora, e sabia que esse fato era um complicador na forma como os médicos do centro obstétrico entendiam aquele caso específico. A mim só restava esperar, e pedir aos deuses que os médicos responsáveis tivessem a sabedoria para fazer as melhores escolhas.

A participação paterna no processo de parto e nascimento é um evento raro entre os mamíferos, principalmente quando a paternidade não é uma obviedade. Entre os grupamentos em que a participação genética de determinado parceiro é assegurada, esta ligação pai-filho se dará de forma mais intensa, enquanto nos grupamentos mais promíscuos (com paternidade menos confiável) um padrão muito heterogêneo poderá ocorrer, variando do infanticídio, numa extremidade, até mesmo cuidados ativos e afetivos na outra ponta. Esta disparidade idiossincrática de atitudes nos demonstra que o estabelecimento da relação entre o pai e seu filho não seria um produto de nossa herança genética, mas ocorreria em razão de aspectos ecológicos e comportamentais, principalmente relacionados com a distribuição de comida, o que está de acordo com a atitude de todos os carnívoros sociais.

Ela a cada minuto parecia mais fraca. Dezoito horas já haviam se passado desde a ruptura das membranas e a perda do líquido amniótico. Seu humor estava abalado. Não mais suportava a conversa das auxiliares, e mesmo a minha presença era apenas tolerada. Eu caminhava ansiosamente de um lado para outro. Repetiria essa atitude ansiosa durante as centenas de partos que acompanharia nos anos que se seguiram. Mas aquele dia era o meu “batismo de fogo”.

A paternidade entrava na minha vida de forma precoce e inesperada, o que me deixava ainda mais assustado e tenso. Fazia promessas. Imaginava que amanhã estaria rindo com meu filho nos braços. Pensava na magia de ser pai. Ia até o corredor do hospital e pedia colo para minha mãe, que silenciosamente aguardava para parir seu primeiro neto. Tentava criar coragem. Olhava para as residentes e aguardava delas uma palavra, um gesto, uma confirmação. Esperava que meu sofrimento fosse abreviado. Eu estava entregue. Dependia daquela mulher, e dependia daqueles médicos.

A sensação de dependência, de falta de controle sobre a situação me fazia menino, pequeno, diminuto. Só o que podia fazer era ter paciência e confiar. Das residentes escutava apenas comentários que não me ajudavam. Zeza continuava intensamente absorvida pela intensidade de suas dores, mas para mim, pobre menino, nada parecia acontecer. Até que ao cair da noite, depois de um exame vaginal, eu escuto a guturalidade de um som; a expressão sonora de uma passagem. Algo ocorrera, e fixei meus olhos no residente. Este me olhou rapidamente e disse, enquanto dirigia-se à porta da zona restrita:

- A dilatação se completou, podemos ir para a sala de partos.

  Fazer Pedido
 
Copyrights: GAMA - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução das imagens ou do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.
Quem Somos
Onde Estamos
Mapa do Site
Fale Conosco
GAMA - Grupo de Apoio à Maternidade Ativa - Rua Natingui, 380 - Vila Madalena - 05443-000 - São Paulo, SP
Telefones: clique aqui - E-mail: CLIQUE AQUI